Minha família: minha alegria,meu amor e minha paz

Dom Pedro Brito Guimarães
Arcebispo de Palmas – TO

 

O mês de agosto, mês vocacional, é também dedicado à vocação da família. No coração deste mês a Igreja no Brasil insere a Semana Nacional da Família que, este ano, tem como tema: “Família, uma luz para a vida em sociedade”. A família, mesmo com as crises, os problemas e os condicionantes que enfrenta nos dias atuais, nunca pode ser considerada um problema, mas sempre uma solução, um dom, uma graça, uma bênção e uma luz. Falar bem da família é falar da raiz, do ninho e do berço da vida de onde todos nós viemos. Ninguém nasce de geração espontânea, como o capim no nosso quintal.

O papa Francisco pede que não falemos mal do casamento e da família, sobretudo, para as novas gerações para não condicioná-las e indisponibilizá-las a estes bens tão preciosos. Ele mesmo, na sua solicitude pastoral pela família, pede que os jovens não tenham medo do matrimônio. É uma realidade que o conceito de família está sendo dilatado para açambarcar outros modos de convivência a dois, a três e a muitos. É também uma realidade que muitos jovens não querem casar ou se casam cada vez menos. É, por fim, também real que, em muitos países, aumenta o número de separações e diminui o número de filhos. As dificuldades de permanecer unidos, quer como casal, quer como família, está levando muitos a interromperem os vínculos matrimoniais, com frequência e rapidez. As culturas do provisório, do descartável e do temporal levam muitos a casarem, a descasarem e a recasarem. E são precisamente os casais, com seus filhos, os primeiros a sofrerem as consequências. Tudo isso acontece pela incapacidade de amar.

Apesar de tudo, profeticamente, insistimos em crer que a família é a nossa luz, a nossa alegria, a nossa paz, o nosso amor, a nossa vida, a nossa missão e a nossa salvação. A família é um uma alegria e um júbilo para a Igreja. Na família se concretiza a alegria e a beleza do amor matrimonial e da família. Sem família não salvaremos o mundo das intempérias, epidemias e endemias da vida. Ou salvamos a família ou nos perderemos todos igualmente.

O papa Francisco tem um repertório capilar e vasto sobre a alegria e a beleza da família. Brevemente acenaremos apenas dez ensinamentos seus que julgamos essenciais para o programa de vida familiar e a Pastoral da Família 1. Jesus: o verdadeiro vinculo matrimonial é selado com Jesus. A grande missão da família é arranjar lugar para Jesus na família, no esposo, na esposa, nos filhos, nos avós e nos outros parentes mais próximos. 2. “Com licença”, “obrigado”, “perdão”: três palavras que devem existir sempre em casa. 3. Amor: é o que mais pesa na vida familiar. Sem amor, a fadiga familiar se torna pesada demais. 4.  A beleza de ser mãe, pai e filho: maternidade, paternidade e filiação não significam só trazer filho ou vir ao mundo. É uma opção de vida. 5. Proximidade, doçura, ternura e vigor: ensinar, corrigir, orientar e proteger no desânimo e na dificuldade. 6. Crise: a fragilidade dos vínculos familiares se reveste de especial gravidade, porque a família é célula básica da sociedade. 7. Sonho: é importante sonhar em família com o amor do esposo e da esposa e com o futuro dos filhos. 8. Longa viagem: o matrimónio é uma longa viagem que dura toda a vida, até que a morte os separem. 9. Crianças e idosos: uma sociedade que descarta as crianças e os idosos é uma sociedade sem dignidade, que perdeu suas raízes e sua vitalidade. 10. Alegria e paz: as verdadeiras alegria e paz vem da harmonia profunda entre os esposos e os filhos sentirem no coração a beleza de estarem juntos, de apoiarem-se mutuamente no caminho da vida.

Para todas as famílias, invocamos a proteção da Sagrada Família de Nazaré. Unidos no Senhor Jesus, com Maria e José, pedimos que protejam as nossas famílias, agora e para sempre.

Share This